Cinema

Há 18 anos, “X-Men 2” hipnotizava os fãs com uma cena de abertura insana!

Quando o assunto são filmes de super-heróis, muitos lembram da icônica cena inicial de Batman: O Cavaleiro das Trevas, lançado em 2008. No entanto, cinco anos antes, Bryan Singer ousou ao extrapolar os limites da ação na abertura para o segundo capítulo do filme dos mutantes, em X-Men 2.

Há um elemento que cabe em qualquer gênero cinematográfico, a “curiosidade”. Terror, ação, drama e outras vertentes do cinema; todas possuem espaço para a criação de uma atmosfera densa, lapidada pela expectativa. Enquanto o público fica na beira da poltrona, ansioso, o filme injeta tensão e doses de mistério. A primeira cena, fala ou som, quando combinados em perfeita sintonia, são capazes de atrair a atenção das pessoas como um ímã. Portanto, o princípio de uma história é o contato mais importante com o espectador.

O começo de Titanic, por exemplo, leva o público a se perguntar: o que estão procurando nos destroços do navio? Matrix desperta diversas indagações acerca de Trinity e O Show de Truman usa a imagem para brincar com o nosso interesse. Todas essas cenas despertam curiosidade por um motivo bem simples: elas criam pontos de interrogação na nossa cabeça. É isso o que acontece nos cinco minutos e dezessete segundos iniciais de X-Men 2!

No começo do segundo filme dos mutantes, nossa curiosidade é alimentada a cada “frame”. Não sabemos o que está acontecendo, não sabemos quem está conduzindo o ataque (até certo ponto), não entendemos as motivações e tampouco o contexto. Nossa atenção é usurpada para dentro da cena porque o xeque-mate já foi dado: estamos entregues ao filme.

E o que configura a abertura de X-Men 2 como um marco na história dos filmes de heróis? Existem quatro pontos-chave que tornam esse começo um “abre-alas” histórico: A curiosidade (já citada), a trilha sonora, a coreografia e a presença de poucos diálogos.

Não é de hoje que a 1ª e a 7ª Arte se encontram para compor uma mistura sonora e visual difícil de esquecer. Passaríamos dias contabilizando a quantidade de trilhas sonoras do cinema que são embaladas por músicas clássicas. A sonoridade de Mozart atravessou as barreiras do tempo e sua composição “Dies Irae” — Requiem foi uma escolha de mestre que adicionou mais potência à abertura de X-Men 2. Uma espiada na letra da composição e podemos traçar algumas semelhanças com a cena: “Dias de ira, aquele dia. Em que o mundo se dissolverá em cinzas, como predito por Davi com Sibila. Como é grande o terror que está para vir. Quando o juiz vier para julgar todas as coisas severamente“.

Advertisement
Há 18 anos, "X-men 2" hipinotizava os fãs com uma cena de abertura insana
X-Men 2 / Fox

Uma cena de luta, antes de tudo, é como uma dança. Todos os passos precisam ser milimetricamente estudados e decorados para que o confronto transpareça verdade, força e outras emoções ligadas às cenas de ação. Esse conjunto é levado como um lema e a equipe técnica responsável pela coreografia do filme ousou ao se arriscar em acrobacias e golpes aéreos. A gravidade não estava na equação e o resultado foi o personagem Noturno mostrando todo o perigo em potencial ao usar seus dons como “teleportador”.

A presença de poucos diálogos também é um fator determinante. A única frase que apresenta um contexto que será subvertido está nas falas da “Guia da Casa Branca” ao replicar o discurso de Abraham Lincoln: “Não somos inimigos, somos amigos”. Uma clara alusão ao conflito Humanos X Mutantes. Os demais personagens secundários estão ali para adicionar mais à camada contextual, como o grupo de seguranças gritando comandos que alavancam a ansiedade causada pelo risco iminente. Alan Cumming, o ator por trás da maquiagem e performance convincente, precisou apenas de um sibilo animalesco para ditar o tom da sua presença em cena.

Há 18 anos, "X-men 2" hipinotizava os fãs com uma cena de abertura insana
X-Men 2 / Fox

No encerramento da abertura, uma mensagem poderosa, que se fortalecerá durante todo o filme, está escrita no objeto que por pouco não tirou a vida do Presidente dos Estados Unidos: “Liberdade já para os mutantes”.

Em suma, o pai de todas as pesquisas, vulgo Google, pode levar você a infinitas listas que enumeram as melhores cenas de aberturas dos filmes. Talvez, você encontre algo citando 2001: Uma Odisséia no Espaço, Halloween — A Noite do Terror ou Up — Altas Aventuras. Existem divergências, de fato, mas a cena de X-Men 2 fez por merecer seu local nesse rol de aberturas emblemáticas do cinema.

Assista a cena:

Veja também: Crítica | Vozes e Vultos.

Advertisement

About author
Me chamo Mayko Martins. Formado em Publicidade e Propaganda, sou apaixonado por cinema, apesar de nunca ganhar o "Bolão do Oscar"! Estou “preso” a muitas séries e não consigo terminá-las, culpa da Shonda Rhimes – criadora de How To Get Away With Murder – me obrigando a rever sua série várias e várias vezes. Ah, quase esqueci, eu amo escrever! Por isso sou autor da obra "Fruto Podre": uma fantasia distópica publicada nas Terras do Wattpad.
Articles
Relacionados:
NotíciasCinema

O Homem nas Trevas | Sequência ganha primeira imagem e sinopse, confira

1 Mins read
“O Homem nas Trevas” silenciou as salas de cinema por causa da sua atmosfera densa e sufocante. O suspense ganhará uma continuação que estreará em breve.
NotíciasCinema

A Jornada de Vivo | Animação ganhar teaser trailer super musical, confira!

1 Mins read
Se tem uma combinação que sempre encanta o público é a mistura entre animação e música. Aliás, essa é a fórmula de “A Jornada de Vivo”, a nova produção da Netflix.
NotíciasCinema

Morre ator Paulo Gustavo, aos 42 anos, em decorrência da covid-19

1 Mins read
O ator Paulo Gustavo morreu hoje, aos 42 anos, em decorrência da covid-19. O ator estava internado no Rio desde o dia 13…