fbpx
Cinema

Oscar 2021 | Mank — Fincher e sua reverência a Metalinguagem

Se tem algo que sempre hipnotiza os olhos dos votantes do Oscar são os filmes que retratam a rotina da própria indústria cinematográfica, como Mank — a obra mais recente do diretor David Fincher. Não é espanto para ninguém que o cinema adora falar sobre “Cinema”! Do terror ao drama, a metalinguagem perpetuou-se por diversos gêneros. Pânico 3, La La Land e o clássico Cantando na Chuva são alguns títulos que levantaram o velho debate: “a vida imita a arte ou a arte imita a vida?”.

Eis uma confissão. Já assisti Garota Exemplar cinco vezes. Clube da Luta eu perdi as contas! Semana passada revi O Quarto do Pânico, e sempre que está passando O Curioso Caso de Benjamin Button eu paraliso na frente da TV. Prefiro nem explanar o número de vezes que meus olhos assistiram A Rede Social.

Oscar 2021 | Mank - Fincher e sua reverência a Metalinguagem
Mank / Netflix

O que todos esses filmes têm em comum? É um nome, e começa com a letra “D” de David Fincher. Um dos diretores mais consagrados dos últimos anos, ele é conhecido por sempre tecer uma narrativa profunda, capaz de roubar um turbilhão de sentimentos dos espectadores. Não é à toa que as críticas positivas cercam o trabalho do cineasta. E ele é merecedor de cada elogio.

Eu, como um grande fã, preciso engolir meu orgulho e admitir algo. Mank, infelizmente, é o filme menos “Fincher” da carreira de David Fincher (questão totalmente pessoal). No entanto, sua reverência a metalinguagem é um dos pontos altos desse filme.

Mank - Fincher e sua reverência a Metalinguagem
Mank / Netflix

Mas, o que é a metalinguagem, de fato? Basicamente é quando a linguagem usa a própria linguagem para falar de si mesma. Sabe os momentos que o cartunista Mauricio de Sousa falou da criação de seus gibis dentro das tirinhas da Turma da Mônica? Ou quando Ryan Murphy retratou a produção de filmes e a corrida pelo Oscar na minissérie Hollywood? Ou o recente sucesso da Marvel, Wandavision, que usou a linguagem das séries em uma série? Bom, todos são exemplos de metalinguagem!

Na maioria das vezes, a metalinguagem no cinema nada mais é que “um filme dentro do filme“, como Mank, de David Fincher.

Advertisement

Focado no processo de criação do roteiro de Cidadão Kane, lançado de 1941, a história narra eventos que aconteceram com o roteirista Herman J. Mankiewicz (Mank para os íntimos) e sua luta contra o diretor Orson Welles, para ter seu nome nos créditos do filme. Entre verdade e ficção, o longa de Fincher se apega aos conceitos técnicos de filmagem e edição para construir sua narrativa, inclusive no uso de flashbacks, transição de cenas, diálogos, e, é claro, a fotografia em preto e branco. É o “Moderno” reverenciado o “Clássico”.

Mank - Fincher e sua reverência a Metalinguagem
Mank / Netflix

Sobretudo, Mank é um “filme Legado”, visto que o script foi escrito por Jack Fincher (pai de David Fincher) na década de 90, e somente agora ganhou as telas. Ou seja, um roteirista escrevendo uma história sobre outro roteirista e sua jornada para conceber o roteiro de um filme. Metalinguagem maior que essa, não há!

Em suma, Fincher filho homenageou O Filme que se tornou um dos pilares da história do cinema, compartilhando com o mundo a herança deixada pelo seu pai.

Com o maior número de indicações da temporada, Mank concorre nas seguintes categorias: Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Direção, Melhor Figurino, Melhor Trilha Sonora, Melhor Fotografia, Melhor Maquiagem e Cabelo, Melhor Som e Melhor Design de Produção.

O filme está disponível no catálogo da Netflix.

Advertisement

Assista ao trailer:

Veja tudo sobre a principal cerimônia do Cinema:

Oscar 2021 | Bela Vingança — O jeito “Emerald Fennell” de colocar o dedo na ferida!

Oscar 2021 | Minari — Como assim uma Avó que xinga e não faz biscoitos?

Oscar 2021 | Meu Pai — Qual é o propósito de uma Montagem “caótica”?

Oscar 2021 | Nomadland — Cada imagem de Chloé Zhao vale mais que mil palavras.

Advertisement

Oscar 2021 | O Som do Silêncio — Quando o “Design de Som” cria imersão.

About author
Me chamo Mayko Martins. Formado em Publicidade e Propaganda, sou apaixonado por cinema, apesar de nunca ganhar o "Bolão do Oscar"! Estou “preso” a muitas séries e não consigo terminá-las, culpa da Shonda Rhimes – criadora de How To Get Away With Murder – me obrigando a rever sua série várias e várias vezes. Ah, quase esqueci, eu amo escrever! Por isso sou autor da obra "Fruto Podre": uma fantasia distópica publicada nas Terras do Wattpad.
Articles
Relacionados:
NotíciasCinema

Cruella | Depois de Scarlett Johansson, Emma Stone pode processar a Disney pelo mesmo motivo

1 Mins read
“Cruella” teve a mesma estratégia de lançamento que “Viúva Negra”: cinemas e streaming.
NotíciasCinema

O Oscar vem aí? Assista ao trailer de "Casa Gucci" com Lady Gaga, Jared Leto e Adam Driver

1 Mins read
Com estreia marcada para 27 de janeiro de 2022, no Brasil, “Casa Gucci” é um projeto dirigido pelo premiado cineasta Ridley Scott em parceria com o estúdio MGM.
NotíciasCinema

“The Menu” | Nicholas Hoult se junta a Anya Taylor-Joy no elenco

1 Mins read
O filme será uma comédia ácida e ainda não tem data de estreia. O veículo “The Hollywood Reporter” anunciou com exclusividade que…