Cinema

Oscar 2021 | Mank — Fincher e sua reverência a Metalinguagem

Se tem algo que sempre hipnotiza os olhos dos votantes do Oscar são os filmes que retratam a rotina da própria indústria cinematográfica, como Mank — a obra mais recente do diretor David Fincher. Não é espanto para ninguém que o cinema adora falar sobre “Cinema”! Do terror ao drama, a metalinguagem perpetuou-se por diversos gêneros. Pânico 3, La La Land e o clássico Cantando na Chuva são alguns títulos que levantaram o velho debate: “a vida imita a arte ou a arte imita a vida?”.

Eis uma confissão. Já assisti Garota Exemplar cinco vezes. Clube da Luta eu perdi as contas! Semana passada revi O Quarto do Pânico, e sempre que está passando O Curioso Caso de Benjamin Button eu paraliso na frente da TV. Prefiro nem explanar o número de vezes que meus olhos assistiram A Rede Social.

Oscar 2021 | Mank - Fincher e sua reverência a Metalinguagem
Mank / Netflix

O que todos esses filmes têm em comum? É um nome, e começa com a letra “D” de David Fincher. Um dos diretores mais consagrados dos últimos anos, ele é conhecido por suas narrativas profundas, capazes de roubar um turbilhão de sentimentos dos espectadores. Não é à toa que as críticas positivas cercam o trabalho do cineasta. E ele é merecedor de cada elogio.

Eu, como um grande fã, preciso engolir meu orgulho e admitir algo. Mank, infelizmente, é o filme menos “Fincher” da carreira de David Fincher (questão totalmente pessoal). No entanto, sua reverência a metalinguagem é um dos pontos altos desse filme.

Mank - Fincher e sua reverência a Metalinguagem
Mank / Netflix

Mas, o que é a metalinguagem, de fato? Basicamente, é quando a linguagem usa a própria linguagem para falar de si mesma. Sabe os momentos que o cartunista Mauricio de Sousa falou da criação de seus gibis dentro das tirinhas da Turma da Mônica? Ou quando Ryan Murphy retratou a produção de filmes e a corrida pelo Oscar na minissérie Hollywood? Ou o recente sucesso da Marvel, Wandavision, que usou a linguagem das séries em uma série? Bom, todos são exemplos de metalinguagem!

Em termos simples, na maioria das vezes, a metalinguagem no cinema nada mais é que “um filme dentro do filme“, como Mank, de David Fincher.

Advertisement

Focado no processo de criação do roteiro de Cidadão Kane, lançado de 1941, a história narra eventos que aconteceram com o roteirista Herman J. Mankiewicz (Mank para os íntimos) e sua luta contra o diretor Orson Welles, para ter seu nome nos créditos do filme. Entre verdade e ficção, o longa de Fincher se apega aos conceitos técnicos de filmagem e edição para construir sua narrativa, inclusive no uso de flashbacks, transição de cenas, diálogos, e, é claro, a fotografia em preto e branco. É o “Moderno” reverenciado o “Clássico”.

Mank - Fincher e sua reverência a Metalinguagem
Mank / Netflix

Sobretudo, Mank é um “filme Legado”, visto que o script foi escrito por Jack Fincher (pai de David Fincher) na década de 90, e somente agora ganhou as telas. Ou seja, um roteirista escrevendo uma história sobre outro roteirista e sua jornada para conceber o roteiro de um filme. Metalinguagem maior que essa, não há!

Em suma, Fincher filho homenageou O Filme que se tornou um dos pilares da história do cinema, compartilhando com o mundo a herança deixada pelo seu pai.

Com o maior número de indicações da temporada, Mank concorre nas seguintes categorias: Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Direção, Melhor Figurino, Melhor Trilha Sonora, Melhor Fotografia, Melhor Maquiagem e Cabelo, Melhor Som e Melhor Design de Produção.

O filme está disponível no catálogo da Netflix.

Advertisement

Assista ao trailer:

Veja tudo sobre a principal cerimônia do Cinema:

Oscar 2021 | Bela Vingança — O jeito “Emerald Fennell” de colocar o dedo na ferida!

Oscar 2021 | Minari — Como assim uma Avó que xinga e não faz biscoitos?

Oscar 2021 | Meu Pai — Qual é o propósito de uma Montagem “caótica”?

Oscar 2021 | Nomadland — Cada imagem de Chloé Zhao vale mais que mil palavras.

Advertisement

Oscar 2021 | O Som do Silêncio — Quando o “Design de Som” cria imersão.

About author
Me chamo Mayko Martins. Formado em Publicidade e Propaganda, sou apaixonado por cinema, apesar de nunca ganhar o "Bolão do Oscar"! Estou “preso” a muitas séries e não consigo terminá-las, culpa da Shonda Rhimes – criadora de How To Get Away With Murder – me obrigando a rever sua série várias e várias vezes. Ah, quase esqueci, eu amo escrever! Por isso sou autor da obra "Fruto Podre": uma fantasia distópica publicada nas Terras do Wattpad.
Articles
Relacionados:
NotíciasCinemaSéries

Dragon Ball Super | Site oficial do anime anuncia novo filme para 2022

1 Mins read
“Dragon Ball”, anime que marcou as manhãs na extinta TV Globinho, ganhará um longa-metragem roteirizado por Akira Toriyama.
NotíciasCinema

Mães do Brasil: um retrato da maternidade nos filmes brasileiros

8 Mins read
Com a chegada do Dia das Mães, as pessoas em geral voltam as suas atenções para estas mulheres especiais de suas vidas. Seja em um encontro pessoal para um almoço, levando um presente, uma ligação para quem mora distante ou mesmo para quem já não tem sua mãe presente, mas deseja fazer uma homenagem, a data é sempre um momento especial para muitas famílias.
NotíciasCinema

Animais Fantásticos 3 | Mads Mikkelsen fala sobre continuar o trabalho de Johnny Depp

1 Mins read
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” foi marcado pelo excelente trabalho feito por Johnny Depp. No entanto, Mads Mikkelsen foi escolhido como substituto do ator.