fbpx
NotíciasCinema

Filme sobre o caso Richthofen estreou hoje (24) no Prime Video

“O Menino que Matou Meus Pais” e “A Menina que Matou os Pais” relatam o crime segundo as versões de Suzane e Daniel, respectivamente. 

Os dois filmes sobre o caso Richthofen foram lançados hoje (24) no Prime Video. “O Menino que Matou Meus Pais” e “A Menina que Matou os Pais” contam com pouco mais de uma hora e vinte minutos e podem ser assistidos pelos assinantes da plataforma. Os longas começaram a ser rodados em 2018 e tinham previsão de estreia para 2020, contudo, a estreia foi adiada por conta da pandemia. Com a mudança de planos, as produções não irão aos cinemas, ficando disponíveis apenas no serviço de streaming. 

O Menino que Matou Meus Pais e A Menina que Matou os Pais

caso Richthofen
Carla Diaz como Suzane (Foto: Divulgação)

Os dois filmes narram a história real do assassinato do casal Richthofen no Brasil, cometido por sua filha Suzane, seu namorado Daniel Cravinhos e o cunhado Cristian Cravinhos. Contudo, cada produção tem uma visão diferente sobre o ocorrido, “O Menino que Matou Meus Pais” conta a versão da jovem sobre o assassinato, e no segundo seu então namorado relata os fatos. 

O elenco é integrado por Carla Diaz (Suzane von Richthofen), Leonardo Bittencourt (Daniel Cravinhos), Gabi Lopes (Carol), Kauan Caglio (Andreas von Richthofen), Vera Zimmermann (Marísia von Richthofen), Allan Souza Lima (Cristian Cravinhos) e Leonardo Medeiros (Manfred von Richthofen). Mauricio Eça é quem dirige as obras. O roteiro ficou a cargo da dupla Ilana Casoy e Raphael Montes, que também escreveram “Bom Dia, Veronica”. 

Confira o trailer dos filmes:

Qual a melhor ordem para assistir os filmes sobre o caso Richthofen?

Os dois filmes narram os fatos em diferentes versões do caso Richthofen, embora não haja uma ordem correta, o diretor das obras conta que é mais interessante começar por “O Menino que Matou Meus Pais” e, em seguida, ver “A Menina que Matou os Pais” (via adorocinema). “Eu já assisti em todas as ordens possíveis, e o Raphael (Montes) concorda comigo que essa talvez seja a melhor. Mas pode funcionar do outro jeito também”, avalia Eça.

Advertisement

Entenda o caso Richthofen

Em 31 de outubro de 2002, a estudante de direito Suzane Von Richthofen junto com seu namorado e cunhado, assassinou os pais enquanto os mesmos dormiam. O casal planejava matar o engenheiro Manfred Albert von Richthofen e a psiquiatra Marísia von Richthofen para ficar com a herança, já que eles não aceitavam o relacionamento da filha. 

Após as investigações, Suzane, Daniel e Cristian confessaram o crime e foram condenados. A jovem foi presa em 2004, devendo cumprir 39 anos e seis meses de sentença, mas progrediu para o semiaberto em 2015. Neste ano, Suzane teve autorização para sair do presídio todos os dias para cursar faculdade de farmácia em Taubaté. Cristian foi condenado a 38 anos e seis meses em regime fechado, mas conseguiu o regime aberto em 2017, podendo cumprir o restante da pena em liberdade. Daniel Cravinhos foi condenado a 39 anos e seis meses de prisão em regime fechado e também conseguiu o mesmo benefício. 

About author
Estudante de jornalismo, apaixonada pelo cinema e defensora das produções nacionais. Experiência em produção de conteúdo e análise de SEO.
Articles
Relacionados:
CríticasCinema

Crítica | Doutor Estranho no Multiverso da Loucura acerta em alguns pontos mas ressalta os erros da fase 4

4 Mins read
Doutor Estranho no Multiverso da Loucura finalmente está chegando aos cinemas mas assim como muitas das produções dessa fase 4 do UCM deve dividir opiniões.
NotíciasCinema

MUBI | Streaming revela as principais estreias do mês de maio; confira!

3 Mins read
Foco em Cannes e especiais dedicados a Joachim Trier e Joseph Losey; a estreia do filme de Kiyoshi Kurosawa, A Mulher de um Espião, e o lançamento exclusivo de Great Freedom
CríticasCinema

Crítica | Boneca Russa (2ª Temporada) - série mantém a qualidade inserindo viagens no tempo no caótico cotidiano de Nadia e Alan

3 Mins read
Passados quatro anos dos acontecimentos surreais vividos por Nadia ( Natasha Lyonne) e Alan ( Charlie Barnett) na 1ª temporada de Boneca Russa, a dupla já conseguiu fugir do constante ciclo de mortalidade que enfrentava diariamente. Mas se eles achavam que já estavam livres das artimanhas do Universo, acabaram descobrindo que era só o começo de mais uma jornada, agora com viagens no tempo via transporte público( o sonho de todos nós?), reencontro com situações vividas por seus antepassados, questões existenciais e históricas, rendendo para Boneca Russa atuações impecáveis e uma nova e sensacional trilha sonora presente também nesta 2ª temporada.