CinemaCríticas

Crítica | Power

Com direção da dupla Henry Joost e Ariel Schulman, o novo original Netflix brinca com as possibilidades que super-poderes poderiam alcançar no mundo contemporâneo, em uma Nova Orleans violenta e esquecida.

Power” é o momento quando “The Wire” se encontra com uma espécie de mistura entre Vingadores/Máquina Mortífera e o resultado não é tão bom quanto eu esperava, mas entretém por um par de horas. Acho que o problema principal é se levar a sério demais, sendo que o filme trata de elementos fantasiosos e uma ação desenfreada. Os clichês estão todos lá para você escolher (não que seja algo de todo negativo), indo dos policiais que não seguem as regras aos traficantes sul-americanos que precisam ser impedidos.

O modo como a direção e o roteiro mexe com esses clichês é o que dificulta tudo, trazendo uma trama cansada e enjoativa após algum tempo, que não se sustenta apenas no carisma da dupla principal: Jamie Foxx (Art) e Dominique Fishback (Robin), parte de um outro clichê: a dupla improvável que aprende a se amar. Assim, nada é muito original e as escolhas ao redor da história não ajudam muito.

Power
Cena do original Netflix.

Histórias com pílulas, drogas e super-poderes já foram exploradas antes, também não de uma forma tão coesa, como no longa “Sem Limites” (2011), com Bradley Cooper e Robert De Niro. Algumas coisas funcionam, como os momentos de alívio cômico, determinadas cenas de ação e a jornada de Robin. Quanto ao segundo tópico, a ação, o resultado parece mais um daqueles vídeo clipes, com cenas não tão empolgantes no geral, e uma dificuldade em captar boas sequências de tirar o fôlego.

Os efeitos especiais também não ajudam muito, com uma estética que chega a ser bizarra em alguns momentos e muita dependência em cortes rápidos e a boa e velha câmera lenta (alô Zack Snyder!). A trilha sonora é marcante, mas não emplaca tanto, sendo esquecível depois de alguns minutos após você desligar a televisão. A única exceção são os momentos de Rap emplacados por Robin, com sempre muito bom humor.

Penso que as piadas e os momentos em que a própria história tira sarro de si mesma são os pontos chave do roteiro, podendo ser muito mais explorados. Infelizmente, a trama parece querer entregar um drama coeso, quando ela mesma não se vê desse jeito. Prefiro muito mais as piadas em torno de Clint Eastwood e sua persona policial, do que a jornada heroica de Art e seus não tão legais arcos dramáticos.

Advertisement
Power
Netflix“.

Abraçar a galhofa e a falta de seriedade, muitas vezes, funciona em filmes de ação e uma ideia mal executada (como essa) é muito mais triste do que apenas um filme ruim. Tinha potencial, mas ao tentar ser uma crítica social misturada com altas doses de adrenalina, o filme parece não ter um rumo definido, tendo que ter resolvido no último momento, em uma boa e velha batalha final em uma navio cargueiro prestes a zarpar.

Os comentários sobre o sistema e o descaso de um poder público não são tão aproveitáveis, pois o todo parece falar em tom maior, ressaltando os tão fortes aspectos negativos da trama. A mistura, mencionada aqui no começo, não apresenta um equilíbrio e pode cansar até mesmo os fãs do gênero.

Ao final, o resultado parece uma espécie de videogame e não no bom sentido, tendo-se em vista obras-primas como “The Last of Us” ou “Red Dead Redemption“, mas um daqueles jogos que você aproveita por um mês e depois larga para sempre. Não é a partir de bons momentos e ideias que poderiam ser que se faz um filme, com “Power” provando isso ao telespectador à todo momento.

Nota: 2/5

Veja também: Preço do Disney+ no Brasil é revelado: opções são mais caras que Netflix e Prime Video!

CONFIRA O TRAILER:

Advertisement

About author
Estudante, fã de faroestes e musicais, aficionado por "Família Soprano" e 007, entre outras coisas boas da vida.
Articles
    Relacionados:
    NotíciasCinema

    Porta dos Fundos lança clipe para Especial de Natal

    1 Mins read
    O Especial de Natal do Porta dos Fundos, que estreia dia 10 de dezembro, ganhou hoje um clipe especial da música “Marcha do Demo”. A…
    NotíciasCinema

    Elliot Page, de The Umbrella Academy e Juno, se revela transgênero

    1 Mins read
    Nesta terça (01), o ator Elliot Page (“X-Men: Dias De Um Futuro Esquecido“), já indicado ao Oscar e conhecida por vários papéis,…
    NotíciasCinema

    Novo terror da Netflix está apavorando as pessoas e os elogios no Twitter não param

    1 Mins read
    O lançamento de “Vozes“, novo terror espanhol da Netflix, trouxe vários elogios dos fãs no Twitter e fez com que vários usuários…