CinemaCríticas

Crítica | Histórias Assustadoras para Contar no Escuro

“1968: O Ano que mudou o Mundo”, o ano das revoltas estudantis pelo globo, o ano dos descontentes. A mudança é a marca desse icônico ano, que por sua vez, é a data em que se passa “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro” (2019), terror ausente de qualquer mudança significativa entre o gênero.

Histórias Assustadoras para Contar no Escuro” só adota a data como meio de inserir uma ambientação histórica muito bem feita e imersiva, mas as inovações passam longe de sua trama e estruturas narrativas. A nostalgia é o que reina.

Advertisement

Mas antes, a sinopse oficial: “A cidade de Mill Valley é assombrada há décadas pelos mistérios envolvendo o casarão da família Bellows. Em 1968, a jovem Sarah Bellows, uma garota problemática que mantinha um mau relacionamento com os pais, foi ao porão para escrever um livro repleto de histórias macabras. Décadas mais tarde, um grupo de adolescentes descobre o livro e começa a investigar o passado de Sarah. No entanto, as histórias do livro começam a se tornar reais.“.

Crítica | Histórias Assustadoras para Contar no Escuro

Advertisement
Imagem promocional. “CBS Filmes”.

Dito isto, voltemos ao assunto principal:

Advertisement

Histórias Assustadoras para Contar no Escuro” não é ruim, claro que não. Mas, falta um elemento novo, aquele negócio que te faz pular da cadeira (muito mais do que um sustinho básico e um gritinho ali em outra cena). O terror e o medo devem ser induzidos de outras formas e surpreender o espectador.

Nós adoramos relembrar o passado, mas no caso de “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro”, a lembrança impede o novo e o ousado. Os clichês estão todos lá: adolescentes (excluidos/”estranhos”) enfrentando uma ameaça do além, policiais ausentes e idiotas, cidadezinha pequena e uma astuta protagonista.

Advertisement

Os personagens não se destacam muito, parecem paródias de um conto de Stephen King. Um “Stranger Things” sem muito tempo de tela, se posso exagerar. São, no geral, mais do mesmo do que já foi explorado dentro do gênero.

Os clichês novamente são exagerados e usados de maneira errônea pelos inúmeros roteiristas, incluindo o magnífico Guilhermo Del Toro (“Hellboy“). A história se desenvolve bem, apesar de alguns momentos arrastados e tediosos.

Advertisement

O final poderia ter se apoiado em decisões fortes tomadas ao redor da trama, mas acaba escolhendo um caminho mais fácil (sem spoilers), novamente, menos inovador e até covarde, se me permitem.

Advertisement
Crítica | Histórias Assustadoras para Contar no Escuro

Cena de “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro”. “CBS Films”.

Os dois pontos altos são: a fotografia e a protagonista Stella. Comecemos pela primeira, a maioria das cenas é linda, com belos cenários, com destaque para a incrível sequência da “sala vermelha”. De tirar o fôlego até!

Advertisement

Um sopro de novidade em meio à um mar de nostalgia, representado pelos inúmeros pôsteres de filmes de terror no quarto de Stella. Sem contar, o cinema drive-in passando o clássico “A Noite dos Mortos Vivos” (1968).

Influenciado pelos clássicos do gênero, esteticamente, o diretor André Øvredal acerta em cheio, mas lhe falta coração. O único personagem com emoções acima da média é a protagonista Stella (Zoe Margaret Colletti), marcada por um excelente arco evolutivo e uma boa ligação com o desenrolar da história.

Advertisement

Crítica | Histórias Assustadoras para Contar no Escuro

Cena de “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro”. “CBS Films”.

Advertisement

O resultado não é um filme inovador e incrível, mas uma boa forma de entretenimento. Você pode se emocionar e gostar das situações, afinal, este é o objetivo final do cinema. Não é horrível, mas podia pelo menos tentar ser mais.

A produção e a ambientação são os aspectos mais notáveis e inovadores de “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro“. Em alguns momentos, a câmera parece procurar ângulos e situações inovadoras. A perspectiva da nostalgia empobrece o filme, mas bons elementos ainda estão lá.

Advertisement

Ps: O filme está disponível no Prime Video. Em tempos de quarentena, recomendo.

Nota: 2,5/5

Assista ao Trailer:

About author
Estudante, fã de faroestes e musicais, aficionado por "Família Soprano" e 007, entre outras coisas boas da vida.
Articles
    Relacionados:
    NotíciasCinema

    The Rock é o ator mais bem pago de 2020

    1 Mins read
    Nesta quarta (12), a Forbes divulgou a lista dos atores mais bem pagos deste ano, com Dwayne “The Rock” Johnson na liderança,…
    CríticasCinema

    Crítica | Dançarina Imperfeita

    2 Mins read
    Nova produção original da Netflix é a prova viva de que o streaming adora apostar em romances adolescentes e que esse talvez seja o seu ponto alto. Cheia de clichês adolescentes “Dançarina Imperfeita” entrou para a lista de queridinha do público logo na sua estreia.
    NotíciasCinema

    Liam Neeson quer continuar fazendo filmes de ação até precisar de um andador

    1 Mins read
    Em entrevista recente ao Entertainment Weekly, o ator Liam Neeson, conhecido por vários papéis em filmes de ação, afirmou que vai continuar…