fbpx
CríticasCinema

Critica | Free Guy: Assumindo o Controle – Ryan Reynolds brilha novamente!

Free Guy: Assumindo o Controle traz Ryan Reynolds de volta em mais um filme divertido onde parece que o ator brinca de trabalhar. Leve e descontraído, o filme é tudo o que se esperava e surpreende por ser muito mais.

Sinopse: FREE GUY: ASSUMINDO O CONTROLE conta a história de um caixa de banco preso a uma entediante rotina que tem sua vida virada de cabeça para baixo quando ele descobre que é, na verdade, personagem em um brutalmente realista vídeo game de mundo aberto. Agora ele precisa aceitar sua realidade e lidar com o fato de que é o único que pode salvar o mundo.

Critica | Free Guy: Assumindo o Controle - Ryan Reynolds brilha de novo!
Free Guy: Assumindo o Controle | 21th Century Studios

Free Guy: Assumindo o Controle foi mais um das dezenas de filmes que penou durante a pandemia com adiamentos e incertezas, e isso nem foi tudo de “pior” que acarretou no prolongamento da estreia, visto que a compra da Fox pela Disney também gerou impacto. Finalmente com estreia definida para 19 de agosto nos cinemas nacionais, o longa traz tudo o o que era esperado e supera as expectativas, muito disso por conta da originalidade do longa no gênero e do elenco fantástico que compõem a produção.

O novo filme protagonizado do Ryan Reynolds vem sendo descrito como uma mistura que dá certo de Jogador Nº1 com O Show de Thruman e Deadpool, e isso talvez seja uma das comparações que mais acerta ao caracterizar o filme. Free Guy é uma das grande surpresa de 2021, e até mesmo durante a pandemia, por se mostrar competente em trazer uma história original em pleno ano onde as maiores bilheterias são de produções que adaptam algum outro material ou são remakes e reboots.

Critica | Free Guy: Assumindo o Controle - Ryan Reynolds brilha de novo!
Free Guy: Assumindo o Controle | 21th Century Studios

Dentre todos os públicos que Free Guy: Assumindo o Controle pode atingir, o público gamer será o mais cativado com toda certeza. Matt Lieberman traz uma grande paródia de diversos games em seu roteiro enxuto de com referências para da, vender e que faria o Capitão América ter um surto. Passando por games famosos como GTA e até mesmo Fortnite, o longa traz à vida real as dinâmicas presentes nesses jogos dá perspectiva de um personagem muito interessante, um NPC (Personagem Não-Jogável, pela sigla traduzida).

Como já citado, o destaque fica, sem dúvidas nenhuma, para Ryan Reynolds que brilha mais uma vez em um longa que é a sua cara, e Free Guy carimba esse tipo de produção como marca registrada do ator. Reynolds toma o protagonismo para sí sem nenhum esforço, sem nem precisar abrir a boca. Seu trabalho individual engrandece o longa, mas a relação do ator com o elenco de apoio torna tudo mais sentimental para o público enquanto assiste o filme. É inegável que o ator tem carisma e parece se divertir, deixando o espectador num estado de êxtase, nos fazendo esquecer qualquer outro personagem que ele tenha trabalhado sem nem dar a chance de comparação e que ali não há ator, mas alguém real; é incrível.

Advertisement

E não só Reynolds se sai tão bem, mas além dele não há exceções no elenco de apoio. Lil Rel Howery se engrandece ao lado de seu companheiro de tela fazendo um dos melhores trabalhos de sua carreira, enquanto Jodie Comer e Joe Keery se sobressaem pela importância de seus personagens na trama central do longa e se abrem para as possibilidades de Free Guy. Taika Waititi traz um antagonista a altura da produção e que vai muito além do esperado.

Free Guy é uma grande zona organizada de sátiras, participações especiais e referências (que chegam no nível das cenas pós-créditos de Deadpool 2, por exemplo); o roteiro consegue dar conta de tudo e no fim você se pergunta como tudo aquilo pôde dar certo. Apesar disso, o terceiro ato acaba sendo um pouco prejudicado por conta de algumas revelações que não atingem seu ápice, mas nada que atrapalhe na conclusão e que prejudique a relevância de todos os acontecimentos. Grande parte desse crédito de salvação do filme vem da direção impecável de Shawn Levy que explora todo o potencial do longa e de tudo que lhe compõe.

Free Guy: Assumindo o Controle não tem medo de ser uma boa galhofa; é leve e divertido, com alma e coração. O longa é diversão garantida para toda a família e traz uma nova cara para filmes do gênero e dá um refresco para quem gosta de blockbusters e sentia falta de algo original.

Nota: 4,5/5

Assista ao trailer:

About author
25 anos. Editor-chefe do site, adm do perfil da CInerama no Instagram e editor da página no facebook. O louco da CCXP, nerd/geek, cinéfilo apaixonado por todos os gêneros, mas com carinho especial ao gênero de super-heróis e comédia. Fã absoluto do Adam Sandler, o rei de Hollywood!
Articles
Relacionados:
NotíciasCinema

Thor: Amor e Trovão | Filme é boicotado por cenas LGBTQIA+

1 Mins read
Apesar de ser o líder na bilheteria mundial pelo segundo final de semana consecutivo, Thor: Amor e Trovão está sendo boicotado pelo grupo cristão americano One Million Moms por “cenas de conteúdo LGBTQIA+ explícito”. O texto do grupo cita “a tensão romântica gay entre o Deus do Trovão e o Senhor das Estrelas”, “a deusa bissexual Valquíria” e o “gênero neutro” do personagem Axl.
NotíciasCinema

Lilo & Stitch | Live-action é confirmado e já tem diretor

1 Mins read
Segundo o Deadline, o já confimado pela Disney filme live-action da animação Lilo & Stitch (2002) já ganhou seu diretor e se trata de Dean Fleischer-Camp (Marcel The Shell With Shoes On). Porém, ainda não há maiores informações sobre a produção, como uma data de estreia ou se ela será lançada nos cinemas ou direto no Disney+.
NotíciasCinema

Thor: Amor e Trovão | Filme tem 3ª maior estreia do ano nos EUA

1 Mins read
Em seu primeiro final de semana nos cinemas, o filme Thor: Amor e Trovão arrecadou mais de US$ 143 milhões em solo estadunidense, ficando atrás somente de Jurassic World: Domínio (US$ 145 milhões) e de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura (US$ 185 milhões) como maiores estreias de 2022.