fbpx
Curiosidades

Crítica | Ambulância: Um Dia de Crime – Empolga na premissa alucinante e fica aquém de entregar um enredo coerente

Baseado no filme dinamarquês de 2005 Ambulância, Michael Bay apresenta seu mais novo thriller de ação ao mundo.

Ambulancia: Um Dia de Crime, chega carregado de nomes fortes, Jake Gyllenhaal (O Abutre) puxa lista sendo o mais reconhecido dentre o elenco, nomeado ao Oscar por melhor ator coadjuvante por seu papel em O Segredo de Brokeback Mountain, o ator junto de Yahya Abdul-Mateen II (Matrix Resurrections) e Eiza Gonzáles (Baby Driver) levam o filme do início ao fim entregando uma atuação impecável.

Michael Bay trouxe Chris Fedak (Chuck) para assinar o roteiro, era de se esperar um bom enredo, uma história sem furos, com a comédia dosada e presente, mas não é o que vemos nas telas, o roteiro segue uma mistura de Velocidade Máxima, com Bad Boys onde os irmãos Danny (Jake) e Will (Yahya) são bem desenvolvidos e apenas isso. 

Ambulância: Um Dia de Crime
Ambulancia: Um Dia de Crime | Foto: Universal Pictures

O diretor sabe uma coisa ou outra sobre perseguições, então a tensão sempre está presente e elevada ao máximo, quando o filme desacelera o desconforto permanece presente, o que funciona na maior parte do filme, mas o estilo distinto que Bay traz as telas, seja em movimentos de câmera ou cortes irregulares, tira a atenção do espectador. Visualmente ele está comportado em relação aos demais filmes que assinou a direção, mas ainda assim seu padrão segue lá, câmeras girando, cenas filmadas de baixo para cima, parece que ele consegue mais entregar algo simples e direto quando necessário.

Tiroteios, perseguições e explosões ficam de lado quando as cenas mais emocionantes e impactantes são entre os irmãos e Cam (Eiza), a premissa empolga e você acha que vai ver um drama de ação, mas no fim é apenas mais um filme de ação genérico que falha no roteiro, direção e edição. Ao mesmo tempo que o roteiro faz você torcer pelos anti-heróis na tentativa de dar profundidade a eles, os diálogos são crus e só vão pra frente devido aos atores que entregam e a química entre eles que parece ser no mínimo crível. 

Ambulância: Um Dia de Crime
Ambulancia: Um Dia de Crime | Foto: Universal Pictures

O problema de ambulância é típico de várias produções assinadas por Michael Bay, ele masteriza a ação e esquece de contar uma história que prenda e empolgue assim como as cenas incríveis que ele traz, nos leva para o centro da ação com perfeição, o uso de drones foi feito como nunca antes visto em nenhum filme do diretor, a fotografia faz algumas referências e entrega um bom trabalho, porém fica distante de ser um bom filme no geral.

Advertisement

A paleta de cores extremamente quente traz vida a Los Angeles, o que aproxima o filme do público, mas acredito que o público não se acostumou ainda a ver um filme focado em criminosos e sua irmandade ao invés de policiais e soldados, o que foge do sonho americano e causa estranheza e incômodo ao telespectador.

Ambulância: Um Dia de Crime
Ambulancia: Um Dia de Crime | Foto: Universal Pictures

Ambulância é Michael Bay, sem tirar nem por, um filme de assalto, carregado de ação e adrenalina que falha em sua dimensão íntima. Não se pode negar que o diretor é um cinéfilo nato, carregado de referências, mas peca por se levar a sério demais e não saber equilibrar o drama, a comédia e a ação. De um jeito ou de outro, o filme é um deleite para os amantes de ação frenética e do rei das explosões e da câmera girando.

Eai já foi conferir Ambulância nas telonas? Bateu saudade de algum filme do diretor? Corre lá na Netflix que tem alguns disponíveis!

Nota: 2,5/5

Assista ao Trailer:

Advertisement
Relacionados:
CuriosidadesCinema

Páscoa: vida, renascimento e cinema

3 Mins read
Páscoa: vida, renascimento e cinema. O Cineramaclube separou cinco clássicos para você ver e louvar à sua maneira o amor e vida do Filho de Deus.
Curiosidades

Star Wars | Vencedor do Oscar ajudou em criação da linguagem do Povo da Areia

1 Mins read
O vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em 2022, Troy Kotsur de No Ritmo do Coração, contou em entrevista ao Daily Moth que foi ele quem criou a linguagem de sinais do povo da areia nas duas séries do universo de Star Wars, The Book of Boba Fett e Mandalorian.
CuriosidadesCinema

Globoplay | Top 5 clássicos sinistros de terror e suspense

1 Mins read
Cinco achados no Globoplay que vão fazer você chorar de tanto medo. Já avisamos que nem adianta dormir de luz acesa… Ele vem mesmo assim 😈