fbpx
NotíciasCinema

A Última Floresta: filme brasileiro recebe prêmio em Berlim

Único longa brasileiro na competição, A Última Floresta disputou com mais 15 obras os votos do público

O prêmio, entregue no dia 20 de junho, foi o resultado da escolha de mais de 5.500 votos do público da 71ª edição da Berlinale. O evento ocorreu, primeiramente, de maneira online, culminando no evento de maneira presencial em junho.

O documentário, dirigido por Luiz Bolognesi, se baseou na mitologia Yanomani com o intuito de denunciar a ação ilegal do desmatamento e a da floresta amazônica, assim como a denúncia contra garimpos ilegais.

A Última Floresta
A Última Floresta – Pedro J. Márquez 📷

Nesta mistura de documentário e ficção, em que os indígenas foram os atores da obra, Luiz Bolognesi contou com o apoio do xamã e ativista Davi Kopenawa Yanomami, o qual coassinou o roteiro de A Última Floresta.

“Há aldeias e povos que ainda possuem um xamã muito forte, que luta e resiste para manter o centro deles de política, saúde e saber. Quis então fazer um filme que retratasse também este outro lado, a vitória da resistência”, explicou Bolognesi.

Bolognesi já havia sido premiado, no mesmo evento, em 2018, com o filme “Ex-Pajé”. A previsão é de que A Última Floresta entre em cartaz, no Brasil, no próximo semestre.

Advertisement

Fonte: G1

Leia também: 10 documentários brasileiros para assistir na quarentena.

Relacionados:
CríticasCinema

Crítica | Doutor Estranho no Multiverso da Loucura acerta em alguns pontos mas ressalta os erros da fase 4

4 Mins read
Doutor Estranho no Multiverso da Loucura finalmente está chegando aos cinemas mas assim como muitas das produções dessa fase 4 do UCM deve dividir opiniões.
NotíciasCinema

MUBI | Streaming revela as principais estreias do mês de maio; confira!

3 Mins read
Foco em Cannes e especiais dedicados a Joachim Trier e Joseph Losey; a estreia do filme de Kiyoshi Kurosawa, A Mulher de um Espião, e o lançamento exclusivo de Great Freedom
CríticasCinema

Crítica | Boneca Russa (2ª Temporada) - série mantém a qualidade inserindo viagens no tempo no caótico cotidiano de Nadia e Alan

3 Mins read
Passados quatro anos dos acontecimentos surreais vividos por Nadia ( Natasha Lyonne) e Alan ( Charlie Barnett) na 1ª temporada de Boneca Russa, a dupla já conseguiu fugir do constante ciclo de mortalidade que enfrentava diariamente. Mas se eles achavam que já estavam livres das artimanhas do Universo, acabaram descobrindo que era só o começo de mais uma jornada, agora com viagens no tempo via transporte público( o sonho de todos nós?), reencontro com situações vividas por seus antepassados, questões existenciais e históricas, rendendo para Boneca Russa atuações impecáveis e uma nova e sensacional trilha sonora presente também nesta 2ª temporada.